Sumário

O que aprendemos com os erros do Google?

Funnil: Killed by Google

O que aprendemos com os erros do Google? Você sabia que existe um “cemitério” que consta todos os produtos já encerrados pelo Google? E não só existe como está disponível para todos

O “Killed by Google” foi criado em outubro de 2019, mês do Halloween, com um objetivo de fazer uma relação direta e intencional com um cemitério. 

Portanto, ele foi lançado exatamente para compartilhar todos os projetos já criados e que não deram certo. E por que essa página poderia ser útil para você? 

Acompanhe essa leitura completa e entenda sobre os aprendizados que você pode colher com os erros de uma das maiores empresas do mundo. 

O que é Killed by Google?

O Killed by Google é um cemitério com mais de 300 produtos que não deram certo. Nele consta todos os nomes, detalhes do produto e datas de nascimento e morte, como um verdadeiro cemitério com lápides e tudo. 

Porém, a história que não está escrita no Killed by Google são os inúmeros aprendizados que surgiram da criação desses produtos “inúteis” e o quanto eles influenciaram nos produtos de sucesso que existem agora. 

Projetos “mortos” pelo Google:

São mais de 300 produtos, mais de 300 histórias e mais de 300 testes não validados, mas que nos mostra inúmeros exemplos de caminhos que não são tão interessantes de seguir:

GOOGLE ATUALIDADES: Morto como uma maçaneta em 3 meses, o Google Currents era um serviço que fornecia recursos de mídia social semelhantes ao Google + para clientes do Google Workspace. Vai fazer quase 4 anos.

GOOGLE ONHUB: Programado para ser encerrado em 22 dias, o Google OnHub era uma série de roteadores sem fio residenciais fabricados pela Asus e TP-Link que eram alimentados por software do Google, gerenciados por aplicativos do Google e ofereciam recursos especiais aprimorados, como o Google Assistant. Fará mais de 7 anos.

FLUXOS: Morto há 12 meses, o Streams era um “aplicativo de suporte clínico” que visava melhorar a tomada de decisões clínicas e a segurança do paciente em hospitais do Reino Unido. Tinha cerca de 4 anos.

FIELD TRIP: Extinto há quase 3 anos, o Field Trip era um aplicativo móvel que agia como um guia turístico virtual ao cruzar várias fontes de informação para fornecer aos usuários informações sobre pontos de interesse próximos a eles. Tinha mais de 7 anos.

O que aprendemos com projetos que não deram certo?

Conhecer o ruim é um grande passo para conhecer o bom. O primeiro ensinamento é que, às vezes, não vale a pena insistir em algo que já não está dando certo. O segundo é que errar faz para do que é empreender. 

Uma das maiores empresas do mundo criou uma página para compartilhar os seus fracassos. Isso mostra bastante a forma natural que ela lida com os erros. E isso nos permite entender que testes existem exatamente porque nem tudo o que você cria vai dar certo. É a realidade. 

MVP: qual a relação dessa estratégia com esses erros? 

De modo geral, fazer um Minimum Viable Product (MVP) é construir a versão mais simples e enxuta de um produto – ou parte dele – empregando o mínimo de recursos (tempo e dinheiro) possíveis para entregar a principal proposta de valor da ideia. 

O MVP é uma estratégia que vai construindo o produto de forma gradual, com funcionalidades validadas sendo adicionadas ao produto já existente.

Sendo assim, é uma estratégia que testa e valida produtos. Mas o que isso tem a ver com o tema do artigo? Tem a ver com o fato de que o MVP é uma estratégia que surgiu para fazer testes sem gastar toda a sua verba. 

Mas, algumas vezes esse produto pode não sair como o sucesso esperado. 

Nesses casos, é importante entender o que é um erro de execução e o que é um produto que não gera um valor tão grande assim aos consumidores. 

Se o Google que é o Google já cometeu mais de 300 erros, você uma hora ou outra também vai acabar cometendo também. Nesses casos, é preciso absorver os aprendizados e seguir em frente em busca de novas alternativas. 

Por fim, o Killed by Google é um ensinamento e também um dicionário para você consultar o que já foi feito. Use isso ao seu favor e não tenha medo de errar. 

Para as suas próximas estratégias, conte com a Nalk para guiar o seu negócio aos seus objetivos. Converse com o nosso time e acesse Growth Talks, nossa plataforma de conteúdos gratuita sobre growth, vendas, gestão, marketing e cultura.

Outros posts relacionados

Nalk - Cultura de experimentação
Métricas e dados

Experimentação como cultura empresarial

Ter uma cultura de experimentação é o que ajuda negócios e times de marketing, de vendas e de produto na criação de uma rotina de validação de hipóteses. Entenda como criar a sua neste artigo!

Leia mais »

Compartilhe este artigo

Se você gostou deste artigo compartilhe com seus amigos.